É Crime ser Idoso?

Luís Nunes dos Santos

Bisturi Embaixador/Cronista


Na verborreia inflamada da espuma dos dias sob a propaganda bem oleada da Frente Esquerda de mãos dadas com o desgoverno, houve uma notícia que devia ter marcado a semana como prioridade e que deveria ter dado que pensar a todos os portugueses: o chumbo por parte da maioria de esquerda da criminalização do abandono dos nossos idosos.

Portugal é dos países mais envelhecidos da União Europeia, segundo dados da Pordata do ano passado, 20% da população do nosso país era idosa.

Sabemos também, que desde o 25 de Abril de 1974 até aos dias de hoje, a população idosa duplicou de número, e ser idoso em Portugal cada vez mais deixa de ser uma “minoria”, será que é por isso que merece este destrato da frente esquerda?

Deixo para reflexão.
Para se perceber a minha indignação sobre o assunto, temos que perceber aquilo que foi chumbado no Parlamento, uma vez que só assim se consegue perceber o desprezo desta Frente de Esquerda perante todos nós e sobretudo por quem deu tanto ao nosso país e hoje se encontra muitas vezes doente, desamparado, indefeso e abandonado.
Chumbaram-se coisas como a criminalização de quem abandona os idosos em hospitais e lares ilegais, o agravamento das penas de quem comete crimes de burla em pessoas particularmente indefesas em razão da idade, ou até ao agravamento de penas aos maus-tratos contra idosos.

O mesmo se aplica à aprovação de um estatuto de cuidador informal, entre outras, como o condicionamento da entrada de um idoso numa instituição de acolhimento quando este se recuse a pagar valores superiores estipulados à mensalidade.

Uma sociedade e um Estado que não cuida e menospreza quem realmente precisa por ser vulnerável não se pode chamar uma sociedade moderna, nem evoluída.

Em Maio do ano passado o Provedor da Justiça em entrevista à Agencia Lusa conta que há inúmeros casos de idosos tratados de forma perversa pelos filhos e dá exemplos de filhos que ficam com a pensão dos pais, e que muitas vezes são os vizinhos que fazem a denúncia dos casos, outros casos esses mais graves, é quando os filhos diminuem a terapêutica dos pais com o sentido de serem internados de urgência para ficarem nos hospitais.

Será que podemos achar que estes casos não são passiveis de serem chamados crimes?

Qualquer pessoa sensata acha que são crimes.
Os argumentos da Frente de Esquerda para o chumbo desta matéria não colam com a realidade, quase parece que querem ignorar a temática por ser sensível e complicada.

O argumento principal apresentado é que se criminalizar o abandono de idosos, está-se a criar um direito penal só para pobres, como se fosse coisa de pobre abandonar idosos.

Isto é um flagelo que é transversal à sociedade e como tal, deve ser combatido e devemos responsabilizar quem comete tais atentados contra os seus entes queridos.

Esta esquerda é perita a chamar a si a defesa de quem mais precisa, e de quem por alguma razão não tem voz, mas fica aqui provado que só o faz para algumas realidades, afinal para estes há portugueses de primeira e portugueses de segunda.

Longe vãos os tempos em que os idosos eram respeitados numa sociedade com valores, e com respeito pelos direitos humanos.

Não compactuo com atos desumanos e abandonar um ente querido desprotegido e vulnerável é de facto desumano.

Tanto cuidado em legislar a velocidade máxima dentro das localidades, ou a proibirem bolos e salgados nos hospitais, ou até em falar em mais impostos desta feita para a Europa e esquecem a verdadeira função do Estado: que é prestar auxilio a quem realmente precisa.

Nada me impressiona nesta Frente Esquerda desde que, às mãos do Estado que desgovernam morreram mais de 100 pessoas queimadas nos incêndios do verão passado.