Sociedade dos poetas ou das máquinas?

Gonçalo Melo de Magalhães

Bisturi Cronista


Vindo eu de uma sociedade latina do sul da Europa e vivendo em Amsterdão há cerca de 8 meses, decidi por bem comparar as duas culturas de modo a que um observador externo consiga descobrir as diferenças entre estes dois fantásticos países em termos de qualidade de vida.

Os meus parâmetros foram: a animalização da sociedade e a forma que é feita essa desnaturalização, a educação, forma de viver e o clima.

Qualidade de vida é o método utilizado para medir as condições de vida de um ser humano ou é o conjunto de condições que contribuem para o bem físico e espiritual dos indivíduos em sociedade.

Será que a sociedade Holandesa tem mais qualidade de vida do que a Portuguesa?

Considero a Holanda um dos países mais diferentes do mundo. Um país com metade da área de Portugal mas com praticamente o dobro da população. Uma sociedade calvinista, o que não pode ser comparado com uma sociedade luterana ou anglicana ou outra protestante e muito menos uma católica. É extremamente iconoclasta, onde tudo e todos podem ser questionados (e por causa disso, tambem fortemente anárquica no tipo de organização social), individualista e progressora nas liberdades individuais. Toda a gente fala inglês e a língua principal é o holandês. Rentes de Carvalho tem uma relação de amor-ódio com a Holanda.

Ramalho Ortigão odiou a Holanda quando a visitou.

E desse modo vou tentar expôr as diferenças entre as duas sociedades em termos de qualidade de vida e obviamente em termos genéricos. Há sempre pessoas diferentes em todos os lugares.

Os portugueses normalmente têm duas opiniões sobre os holandeses: ou são super organizados, fazem tudo bem e são super evoluídos ou são aparentemente bárbaros de uma maneira mais disfarcada. Será isso verdade?

Primeiro, ha quem diga que o norte da Europa tem os pecados dos Deuses e os do sul da Europa têm os pecados dos homens. As relações sociais são poucas e difícil de fazer e ter relações sociais, não há muito contacto físico, as emoções são em grande parte das vezes desnaturalizadas e fortemente reprimidas, também o sistema de questionamento compulsivo calvinista faz com que haja uma grande separação do indivíduo do coletivo e as relações familiares são bem distantes, bem como existe uma facilidade de relação independentemente do poder que tenham. Outra coisa importante é a linguagem corporal de um holandês normalmente não diz muito do que está a dizer em termos verbais. Os holandeses consideram-se “blunt” (brusco ou “Sem filtro”) isto é são muito diretos e sem delicadeza. Eles não sabem expressar-se nem ler a linguagem corporal geralmente.

E acham até negativo quando uma pessoa se mostra chateada.

Embora também hajam muitos holandeses que adoram pessoas do Mediterrâneo porque nós não escondemos as emoções.

Enquanto que na portuguesa, uma pessoa nem precisa de voz para se expressar. O holandês acha muito correto ter que dizer tudo e racionalizar enquanto que o português prefere ler o outro e não dizer algo para não o magoar ou até mesmo porque há coisas que não podem ser racionalizadas e ditas.
O holandês normalmente não percebe o sarcasmo, as indiretas e o humor britânico. Enquanto que o português é um grande especialista nessas matérias.
Os holandeses tambem são muito terra-a-terra e tendem sempre a ver o lado pratico das coisas e situações reais para os problemas. Enquanto que os portugueses acreditam mais que tudo é possível e que no fim vai sempre correr bem embora ainda nada esteja feito.

A holanda é uma sociedade extremamente igualitária, não há diferenças de género, não há géneroa nas palavras, não existem salariais entre homem e mulher. Mas tambem a diferença de uma cidade para a outra é extremamente baixa. Nao existem montanhas na holanda e tudo é plano e também a arquitetura, caractér e forma de pensar é extremamente semelhante de cidade para cidade. Isso faz com que eles prefiram quase sempre figuras low-profile e que não sejam show off e sim pessoas com comportamento normal mas com sucesso. E portugal é mais desnivelado. Há diferenças de género (não muitas), existem géneros nas palavras e razoáveis diferenças salariais. Contudo Portugal é um país pequeno mas com uma enorme diversidade regional, de paisagem, arquitetura e de caractér de região para região, Portugal prefere sempre um Cristiano Ronaldo ou um Mourinho, alguem que está ali para ser o Macho alfa e mostrar como se faz em vez de alguém que é fraco líder e faz até as coisas bem como Messi. Os holandeses por norma preferem o Messi.

A sociedade holandesa, é, na minha opinião, uma sociedade que tende a rejeitar que o ser humano é um animal. A portuguesa é normalmente o contrário da holandesa, é mais tolerante com as características animais do ser humano. Mais coletivista, mais emotiva, sensível e harmónica.

Segundo, na Holanda, um país frio do Norte da Europa com a maior densidade populacional da Europa, a educação, pib per capita e poder de compra são extremamente altos e é fácil ascender socialmente com trabalho. A educação é muito diferente do resto do mundo. Por um lado é bastante “não-polida” e rude, oposta à sociedade britânica, quase sem sensibilidade e que cada um pode dar o seu “feedback” em relação ao comportamento do outro mas por outro é fortemente conhecedora de outras culturas, línguas, costumes e tudo relacionado com a informacao. Existe uma grande liberdade de expressão, em que todo mundo pode opinar sobre qualquer coisa. Qualquer mesmo! É uma sociedade que valoriza muito a opinião mesmo que ela seja completamente contra tudo. É portanto, essencialmente é uma sociedade informada e com altos níveis de educação.

E rebelde. Não acredita em nada porque alguém o diz, precisa de provas, factos e é extremamente iconoclasta.

Portugal faz parte de uma cultura mais polida e querida, nada obstante, o nível de educação é extremamente baixo na minha opinião. Os portugueses têm liberdade de expressão em termos legais mas em termos concretos não.

Depois de várias ditaduras e uma repressão das liberdades individuais, os portugueses (e todos os latinos) não sabem muito bem o que significa liberdade de expressão. A moral em Portugal é sólida, não há muitas mudanças desde há muitos anos e é praticamente impossível discutir e mudar de opinião sobre vários assuntos e é impossível dar uma opinião verdadeira em Portugal ou comentar na rua o que pensa o que um estranho pensa de si. Na Holanda a moral é algo muito flexível que depende maioritariamente de uma grande responsabilidade.

Mas no entanto, pela alta competitividade na Holanda, as pessoas matam-se a trabalhar e nunca param. É quase raro estar com os amigos ao fim do dia ou apanhar sol de vez em quando ou estar com a família. Enquanto que em Portugal é bem diferente, as pessoas trabalham para viver e estão muito mais com os amigos e família. Se se perguntar a um holandês como foi o trabalho, ele provavelmente irá dizer : “busy busy”, o que reflete a sua obsessão pelo trabalho como forma de ocupar o tempo.

No entanto, em termos de saúde, tecnologia e seguranca são países muito semelhantes. Possivelmente Portugal até é mais desenvolvido nessas áreas.

Terceiro, Portugal trabalha para viver e a Holanda vive para trabalhar. O dinheiro na Holanda é extremamente valorizado e as pessoas praticamente se prostituem por ele e não é algo visto como errado. Enquanto que no catolicismo português, o dinheiro é considerado algo sujo, algo que não presta e que nunca devemos trabalhar por dinheiro. A holandesa é extremamente materialista e a portuguesa tem mais um foco em aproveitar a vida, o foco é mais em ter uma rede social sólida e uma vida engraçada e sorridente.

Quarto, na minha opinião, o que molda mais uma sociedade é o seu clima. É normal não ver luz durante um mês ou ter temperaturas negativas por 2 meses na Holanda. Voces conseguem imaginar o impacto que isso pode ter num ser humano? Isso impede as pessoas de saírem à rua, também faz com que no tempo de sol as pessoas aproveitem muito mais o tempo também bem como faz com que as pessoas trabalhem mais e sejam mais produtivas. Acho natural Portugal não ser tão produtivo essencialmente por causa do clima. Desde que haja comida e bebida, o português está sempre bem.

Portanto,

Preferem a sociedade dos poetas ou das máquinas? A qualidade de vida é uma questão de opinião, principalmente entre estas sociedades que estão relativamente perto uma da outra, em termos geográficos.

Eu nasci português e serei sempre português. Faz falta a boa comida, as relações sociais, a não mecanização da sociedade e da forma de pensar, emoções… Cantona, que agora vive em Portugal, diz “Em Portugal eu sinto-me vivo” e eu vivendo aqui consigo perceber o que ele quer dizer.

Mas no entanto, eu amo o meu curso, gosto deste ambiente cosmopolita e com oportunidades. Onde existe mais qualidade de vida?

No meu entender depende da perspectiva de cada um.