Vote que dia 1 há bola!

Nuno Novo Ramos

Bisturi Cronista


Portugal. 2017.
“Governo vai proibir jogos de futebol em dia de eleições”.

Não pode ser verdade!

Será possível que em pleno ano de 2017, seja esta uma das notícias que abre os noticiários?!

Parece que sim, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo veio revelar a intenção do Governo de proibir os jogos de futebol em dias de eleições!
Já dizia Júlio César, (O Imperador, não o Guarda Redes, já que falamos de bola!) “

Há nos confins da Ibéria, um povo que não se governa, nem se deixa governar!”. Mas será verdade? Será que são 90 minutos de entretenimento que levam a que as pessoas não se desloquem às urnas?

Não! Não podemos achar que é o futebol, ou a missa, ou o “Portugal em Festa”, ou o aniversário do amigo, que nos impede de ir votar! Nada devia impedir alguém de votar, mas se as pessoas não votam não é por este tipo de motivos, mas sim, porque não lhes interessa, porque não confiam na política em geral, porque não vem resultados directos do seu voto.

E por todo um outro role de motivos que não vale a pena enumerar, mas que, em suma se podia resumir com a tamanha falta de confiança no poder político.

O que é que o Governo quer chamar aos cidadãos, ao fim de mais de 40 anos de democracia, ao instaurar uma medida destas? Crianças? Tolos? Ignorantes?

Se sim, estão claramente errados, o voto, mais que um direito, é um dever, e é assim que deve ser visto e lembrado a cada um de nós.

Devemos, por outro lado, mostrar as pessoas que o voto deles importa, que a opção deles, seja ela qual for, é valida, que cada voto conta!

Porque se não vejamos o seguinte exemplo, imaginemos que, em determinada autarquia (uma que até me é bastante querida) dos 150 mil votantes inscritos, apenas votam 61 mil.

Isto significa que estamos perante uma abstenção de 60%. Números vergonhosos, diga-se de passagem, mas pior. Isto significa ainda que, o partido vencedor (não interessa para o caso qual) que obteve cerca de 38% dos votos, vai governar este concelho com pouco mais de 23 mil votos.

Repito, 23 mil votos, a decidir por 150 mil votantes!

Como este caso, há dezenas ao longo deste nosso Portugal. E eu de facto não sei qual é a solução para levar as pessoas às urnas! Mas tenho quase a certeza absoluta, que não será com proibições de jogos de futebol, com restrições à liberdade de cada um decidir o que fazer durante as 11 horas do dia em que pode votar, que a abstenção vai ser reduzida.

Acredito no entanto que, com uma mudança do paradigma político, com uma maior proximidade entre o “político” e o cidadão, com mais divulgação sobre quais as verdadeiras consequências da abstenção, com uma maior vertente cívica nas nossas, com uma maior transparência da classe política, com uma imagem mais credível e mais digna dos agentes políticos, aos poucos a abstenção irá descer.

Dia 1 de Outubro, vote, é o seu direito, mas também o seu dever!
E depois vá ver a bola!