É só Futebol, mas isto não é só Futebol!

Marco Gil

Bisturi Cronista – O Bisturi das Emoções 


Não, não é só futebol.
É paixão e enche praças, cafés e lares, é ponto de encontro a tanta gente que está ali para o mesmo; que exulta cada triunfo sem se lembrar do dia mau que teve ou da semana péssima que está para vir.
Os maus momentos são substituídos por 90 minutos de adrenalina e êxtase, quase sempre levados ao limite.
É o coração a falar pela razão.
Faz com que desconhecidos se abraçem sem que nunca mais se voltem a ver e como é maravilhoso não pedir licença para um abraço.
Somos muitos mas apenas um.
Somos mesmo aquela nação valente e imortal que começou nos descobridores e termina numa trivela.
E isto não é treta nenhuma, é o coração aos saltos.
E viver de paixão é melhor que viver-se sem ela, com aquele arrepio no estômago por ser dia de jogo ou com tudo marcado para as 19 horas.
“Oi, como é logo?”, há melhor frase que esta logo pela manhã em dia de jogo?
E sermos todos do mesmo não é algo único e mágico?
Sem rivalidades e discussões mas com proximidade e partilha.
E é por isso que isto é mais que um jogo e a derrota é mais que uma derrota.
Porque para a semana já não há jogo às 15h ou às 19h.
Porque já não ha história para fazer, para contar ou para jogar; nem podemos continuar a mostrar entre os melhores que temos o melhor do mundo.
Porque daqui a 4 anos já temos mais 4 no pêlo e porque nem sequer está calor para amanhã irmos para a praia e podermos atenuar esta desilusão.
Nestas alturas nós mostramos sempre aqueles valores porque se fazem as nações a sério e começamos sempre pela união; amanhã ela já não se pode abraçar ao desconhecido numa praça qualquer a exultar o passe do Quaresma para a cabeça do Ronaldo.
É por isso que estou triste.
Sim é só futebol mas não é só futebol.
E pouco me importam os treinadores de bancada ou se a equipa devia ser esta ou aquela, porque eu só queria ganhar e continuar a guiar-me pelo sonho de mais de 11 milhões.
Ainda assim continuo a ter orgulho neles e em nós, nas trivelas de ontem e nos golos de sempre.
Nos saltos desprovidos de cuidado e assoberbados pela felicidade, nos abraços que se sentem e em dar mais cinco a qualquer um que se cruze comigo seja pelo passe Bernardo ou pela defesa do Patrício.
Vou ter saudades de sermos um grupo como o deles: unido e coeso e tenho pena que demoremos sempre pelo 2 anos para sermos assim…todos mas um.
Disso e de pedir uma hora ao chefe ou de ver televisões nos locais mais inóspitos de sempre; porque é paixão e é a paixão de todos.
Amanhã é outro dia, mas hoje deveríamos começar já a pensar no sítio onde haveríamos de ver o nosso jogo dos quartos…