Viagem a 2018 por Miguel Pedro Araújo | Parte I

Miguel Pedro Araújo 

Bisturi Cronista


Das escolhas pessoais… das memórias que ficarão de quem não sobreviveu ao (no) ano de 2018.

Cá dentro…
na política: Maria Teresa Cárcomo Lobo, a primeira mulher a exercer funções governativas em Portugal (subsecretária de Estado de Saúde e de Assistência, 1970-1973); João Semedo, médico e dirigente do Bloco de Esquerda; Rosado Fernandes, professor universitário, deputado e eurodeputado pelo CDS.PP e ex-presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal; António Arnaut, advogado, ex-deputado pelo PS, ex-Ministro dos Assuntos Sociais, em 1978, altura em que criou o Serviço Nacional de Saúde.
na cultura: Celeste Rodrigues, fadista; Maria José Moura, a quem apelidaram de “mãe” da rede de bibliotecas públicas; Júlio Pomar, referência portuguesa das artes.
no conhecimento: António Santa-Rita, arquitecto, uma das grandes referências do urbanismo; João Corte-Real, professor universitário e o mais antigo investigador português do clima.
na defesa: capitão de Abril, Diamantino Gertrudes da Silva; general Loureiro dos Santos, antigo ministro da Defesa Nacional, ex-Chefe do Estado-Maior do Exército e geopolítico.
na comunicação social: Altino do Tojal, jornalista e escritor, autor de “Os Putos”; José Pinto, jornalista especialista em desporto automóvel e apresentador do programa “Rotações”, na RTP; Helena Ramos, apresentadora e um dos rostos mais simbólicos da RTP.

Lá fora…
na cultura: Nancy Wilson, cantora de jazz, actriz e activista dos direitos humanos; Nicolas Roeg, realizador britânico conhecido pelo filme “Aquele Inverno em Veneza”; Montserrat Caballé, uma das cantoras de ópera mais importantes da história; Zienia Merton, atriz, conhecida como a cientista da saga “Espaço 1999”; Gary Friedrich, que deu vida aos super-heróis da Marvel (Homem-Aranha, Capitão América, Homem de Ferro, Hulk, por exemplo); Aretha Franklin, a rainha da soulmusic; Matt Murphy, a lenda dos blues; Danny Kirwan, ex-guitarrista do Fleetwood Mac (até 1972 quando foi excluído da banda); Pamela Gidley, actriz de “TwinPeaks” – “Os últimos dias de Laura Palmer”; Dolores O’Riordan, vocalista dos “The Cranberries”; Hugh McDowell, cofundador dos “Electric Light Orchestra”; Anthony Bourdain, um dos chefs mais famosos do mundo.
na sociedade e cidadania: Marielle Franco, política e activista brasileira; Kofi Annan, ex-secretário-geral da ONU; Winnie Madikizela-Mandela, política sul-africana e activista contra o apartheid.
na política: Roelof Frederik “Pik” Botha, político e governante da África do Sul; John McCain, Partido Republicano, ex-candidato derrotado por Barack Obama, e, apesar do mesmo partido, acérrimo crítico de Trump; George H. W. Bush, ex-presidente norte-americano (pai de George W.B.).
no conhecimento: Paul Allen, cofundador da Microsoft; Stephen Hawking, físico; Alan Bean, o quarto homem a pisar a Lua.

Por fim, num ano em que comemorámos os 100 anos do Armistício de Compiègne, assinado em 11 de novembro de 1918 entre os Aliados e a Alemanha, altura para prestar a mais profunda e sentida homenagem a dois sobreviventes do Holocausto Nazi da II Grande Guerra que faleceram em 2018.
Noah Klieger, sobrevivente dos campos de extermínio nazi e enquanto jornalistas cobriu todos os julgamentos dos antigos Nazis.
Joseph Joffo, escritor, contou em livro como fugiu aos Nazis, por exemplo em “Os meninos que enganavam os Nazis”.